São Queiroz convida: aula aberta sobre litrografia na Biblioteca Brasiliana da USP

Na próxima quarta-feira (20), a partir das 14 horas, a Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin (BBM), da Universidade de São Paulo, abre suas portas para uma aula inédita sobre a técnica de litografia e sua importância no mundo contemporâneo.

O evento é uma extensão da exposição São Queiroz: Litografia e Enigma, mostra individual que reúne 40 trabalhos inéditos e que se relacionam com obras raras e especiais do acervo da Biblioteca. “Tenho uma paixão muito especial pela litogravura. No processo de criação, me permito a liberdade e vou atrás, justamente, do inesperado”, destaca São Queiroz, artista luso-brasileira.

A técnica de litografia e sua importância no mundo contemporâneo – Foto: Divulgação

Para ampliar a troca de conhecimentos, o curador da exposição, Luiz Armando Bagolin, que é docente e pesquisador do Instituto de Estudos Brasileiros da USP (IEB) recebe o artista Evandro Carlos Jardim, referência no ensino dentro da academia e um dos mais renomados especialistas em gravura brasileira. “O encontro com o professor Evandro Carlos Jardim terá como foco não apenas a exposição ou as gravuras dentro de coleções brasilianas, mas pretende-se um debate amplo e aberto sobre o lugar da gravura hoje, da gravura contemporânea brasileira, uma vez que ela não existe mais tão somente dentro de livros, álbuns ou gabinetes”.

Dessa forma, a aula aberta ao público interessado em arte busca discutir o acesso às artes plásticas, além do papel e relevância dentro do ambiente universitário.

Litografia e enigma: exposição fica em cartaz até 28 de fevereiro

A mostra pretende traçar um breve painel da utilização da litografia ao longo da história como um meio de expressão autônomo e ainda instigante ao olhar.

A litografia é uma técnica de impressão que consiste em fazer a imagem em uma superfície de uma pedra calcária, que, depois de ser tratada quimicamente, recebe a tinta que vai reproduzir várias imagens ou textos.

Junto às telas de São Queiroz são apresentados ao público livros raros e álbuns nos quais a litografia foi a principal técnica de impressão para a realização de obras com imagens sobre o Brasil ou a América, fundamentais para a compreensão de nossa história.

Processo criativo
O campo de atuação da artista, que descobriu a arte na infância, é um espaço afetivo, de recepção e de registro das memórias recolhidas a partir das inúmeras viagens pelo mundo, que mantém como parte do processo criativo. É do nomadismo que a produção se origina e nutre.

Serviço

Aula aberta sobre litografia e as Brasilianas no mundo contemporâneo
Quando: quarta-feira, dia 20, às 14 horas
Onde: Auditório da Biblioteca Brasiliana Guita e José Mindlin | Rua da Universidade, 21 – Cidade Universitária

Entrada gratuita